fbpx

Style 1

Gostei muito do atendimento, são prestativos, comunicativos e me orientam da forma correta.

Rose Kelly da Hora

Atendimento Ótimo! Recomendo para outras pessoas, já indiquei para 3 amigos.

Johnathan Santos

Eu fui super bem atendido pela Dr.a Graziele e sua equipe. Me guiou em todo o processo e tivemos êxito, recomendo de olhos fechados.

Carlos Júnior Salas

Como pedir minha aposentadoria?

Uma pergunta que não quer calar: Posso pedir minha aposentadoria sozinho? Ou seja, sem precisa de um advogado para me ajudar. Você mesmo deve estar procurando por essa resposta e chegou aqui e vamos te responder!

Sim, é possível realizar esse pedido sem o ajuda de um advogado especialista.

O problema é o seguinte: Você precisa ter muito cuidado na hora de fazer o pedido para que isso não prejudique sua aposentadoria para o resto da sua vida, pois pode ser que nem tudo seja como você imagina.

A aposentadoria pode ser negada pelo INSS ou talvez o valor da aposentadoria pode ser menor do que você espera.

Já ouvimos muita gente dizer: Não preciso de ajuda, basta ir ao INSS e aguardar que a aposentadoria sai!

Será? Vou colocar essa pulga atrás da sua orelha, mas também vou te dar algumas dicas para você analisar antes de fazer seu pedido se vale a pena fazer esse pedido sozinho:

  • Posso fazer o pedido de aposentadoria quando “me der na telha”?

Sobre aposentadoria uma coisa é 100% verdade: Fazer o pedido na data errada pode deixar a aposentadoria bem menor ou ainda pode fazer com que o benefício seja negado.

Sendo assim, pedir a aposentadoria quando der na telha, sem ter certeza de que está na melhor hora pode fazer o valor ficar bem abaixo do que é esperado.

Ainda existe a questão da reforma da previdência, que pode te dar várias opções, devendo escolher qual dessas será mis vantajosa no seu caso.

Outra questão que merece cuidado é o fato de ter inúmeros tipos de aposentadoria no INSS.  Pode ser que você tenha direito a mais de uma forma.

Se você acredita que chegou a hora da sua aposentadoria , mas não tem certeza dos detalhes, considere fazer um cálculo previdenciário antes para entender a sua situação antes de fazer o pedido.

2 – O caso do seu conhecido não serve para você

“Doutora, mas o meu amigo tem a minha idade, trabalha o mesmo tempo que eu, então minha aposentadoria vai ser igual à dele!”  Isso é um grande engano. Cada pessoa tem suas particularidades e com certeza impactarão no valor da aposentadoria. Para saber os valores do benefício é preciso saber qual era a profissão, se existia algum adicional (insalubridade, periculosidade), até horas extras fazem diferença no cálculo do valor do benefício. Cada mês de contribuição entra no cálculo.

Se você decidir pedir a aposentadoria sozinho entenda que não dá para levar em consideração as aposentadorias de outras pessoas.

3 – Aceitar qualquer benefício sem entender o dinheiro que está perdendo

Você sabia que existem inúmeros tipos de aposentadoria? Tem por idade, do deficiente, rural, especial, por tempo de contribuição… Além de todas as regras de transição criadas com a Reforma da Previdência.

O contribuinte, querendo receber um dinheiro fixo do governo todo mês, pede a aposentadoria mais rápida e simples, sem se preocupar em validar toda a documentação que tem.

Essa impaciência, porém, pode impactar no valor da aposentadoria. Esperar alguns meses pode fazer uma grande diferença no valor a ser recebido.

Optar por uma aposentadoria sem calcular todos os tipos de contribuição que você possui pode gerar uma aposentadoria defeituosa.

4 – Não calcular a aposentadoria ou não fazer Planejamento Previdenciário

O pedido de aposentadoria pode apontar defeitos nas contribuições ou nos registros e causar algumas dores de cabeça.

Isto se dá porquê muitos trabalhadores não contribuíram da forma correta ao INSS. Ou, ainda, deixou algum período sem pagamento, não guardou a documentação necessária, o não sabe o que vai precisar.

Tanto o planejamento previdenciário, quanto o cálculo previdenciário são trabalhos indicados para quem quer saber a melhor hora de pedir a aposentadoria.

A diferença entre eles está na complexidade dos cálculos. Cada advogado tem sua peculiaridade.

Aqui no nosso escritório (Graziele Lopes Advocacia), indicamos o planejamento para as pessoas autônomas, eu contribuem através de carnê, que podem controlar suas contribuições e também para os SERVIDORES PÚBLICOS, que precisam averbar alguns períodos do INSS no local onde está concursado. O planejamento deve ser feito anos antes de se aposentar, pois só assim você conseguirá alterar os valores do seu benefício.

Sobre o cálculo da aposentadoria, acreditamos ser interessante para aquelas pessoas que estão bem pertinho da data da aposentadoria, mas não sabe se já pode pedir, se cumpriu os requisitos exigidos e qual tipo é o mais indicado em seu caso.

5 – Não conferir se todas as contribuições estão no CNIS

O CNIS é um extrato onde deve aparecer todos os seus registros de trabalho, mês a mês deve estar constando ali.

Acontece que é comum existirem erros no INSS, e quando isso acontece, esse tempo não estará contando para sua aposentadoria. Por causa disso, muitas vezes o contribuinte já tem tempo para se aposentar, mas o INSS nega.  Poucos são os que conferem o CNIS com a carteira de trabalho, os carnês e os documentos de trabalho que possui

Se você quer pedir sua aposentadoria sem ajuda profissional, confira o CNIS. Se tiver erros, solicite a correção antes de fazer a solicitação do benefício no INSS.

6 – Deixar de pedir reconhecimento da atividade especial

O trabalho realizado em locais que podem causar danos à sua saúde ou à sua vida é considerado de forma especial. Essas atividades podem te dar direito à uma aposentadoria mais cedo e com valores melhores.

A principal questão com relação aos períodos especiais é que o INSS dificulta muito esse reconhecimento e ele não é feito automaticamente. Sendo assim, se você trabalhou em algum local com insalubridade ou periculosidade, você precisa levar a documentação correta na hora de pedir a aposentadoria.

Se você quiser saber mais sobre aposentadoria especial, clique aqui e entenda como isso pode melhorar muito os seus direitos.

7 – Acreditar que não tem direito porque o INSS negou seu pedido

Quem lida com o INSS diariamente sabe: Não existe garantia de que o INSS vai conceder a aposentadoria. Muitas vezes não encontramos nem motivos, mas o INSS negou.

Tenha isso em mente: existe a possibilidade do pedido ser negado. Isso não quer dizer que você não tem direito de se aposentar. Talvez seja algum parâmetro que INSS usou e que você não sabe como ajustar, ou talvez falte algum documento, ou ainda foi um erro do próprio INSS. Não desista do seu direito.

Se o benefício seja negado, procure entender a razão da negativa e ajustar o que for necessário para continuar seu processo.

Conclusão

Se você leu o texto completo, já entendeu que pode pedir sua aposentadoria sozinho, mas precisar ter muito cuidado e atenção para não ser prejudicado.

A aposentadoria é importante porque é o dinheiro que vai sustentar a fase mais delicada das nossas vidas. Não abandone o que você passou sua vida toda construindo.

Pedir a aposentadoria pode dar muito trabalho, por isso indicamos que você busque um advogado especialista na área previdenciária, pois ele vai conseguir te ajudar a chegar no melhor benefício. Solicitar a aposentadoria pode trazer dores de cabeça ao trabalhador.

Aqui no nosso escritório temos advogados especializados, quem lidam todos os dias com o INSS e que são qualificados para resolver quaisquer questões de aposentadoria, pensão e revisão de benefício. Fale com um especialista.

Meu benefício foi cortado, o que fazer?

 

Existem vários tipos de cortes à benefícios, pode ser que o INSS tenha entendido existir irregularidade no recebimento, erro nos cálculos de concessão… Mas os principais benefícios que sofrem cortes são os Benefícios por incapacidade: auxílio doença, aposentadoria por incapacidade (antiga aposentadoria por invalidez).

Vez ou outra recebemos a notícia que o INSS fará um novo PENTE FINO, e nesses mutirões cancelam inúmeras aposentadorias por incapacidade e auxílios-doenças. Na prática, entendemos que os cortes são grandes arbitrariedades.

Muitos que realmente estão doentes ou com sequelas definitivas são chamados para perícia e a perícia dá alta para pessoas totalmente capaz.

Se isso aconteceu com você, o caminho é entrar em contato imediatamente com o escritório para analisarmos seu caso e entrar na justiça para brigar por seu direito.

 

Preciso de pensão por morte, o que eu faço?

 

Será que eu tenho direito à pensão por morte?

A pensão por morte é um benefício destinado aos dependentes do contribuinte do INSS que falece. Acontece que este benefício tem muitos detalhes. Por exemplo: o prazo para recebimento do benefício varia de acordo com a idade do beneficiário e, também, de quanto tempo o falecido está junto com o companheiro(a).

O benefício durará somente 04 meses, contados da data do óbito, nas seguintes hipóteses:

1° Se o falecido tiver menos que 18 contribuições

2° Se o casamento ou a união estável tiver menos que 2 anos do falecimento

3° Se recebia pensão alimentícia

Entretanto, o benefício terá duração variável conforme a tabela abaixo, desde que o falecido tenha mais que 18 contribuições mensais e o casamento ou união estável tenha mais de 2 anos:

Idade do dependente na data do óbito Duração máxima do benefício
menos de 21 anos 3 anos
entre 21 e 26 anos 6 anos
entre 27 e 29 anos 10 anos
entre 30 e 40 anos 15 anos
entre 41 e 43 anos 20 anos
À partir de 44 anos Vitalício

 

Existe exceção, caso o falecimento seja decorrente de acidente de qualquer natureza, independentemente da quantidade de contribuições ou quanto tempo de casamento/união estável.

Outra questão importante é que o cônjuge incapaz/inválido ou com deficiência terá direito ao benefício enquanto durar a deficiência ou incapacidade, devendo ser respeitados os prazos mínimos descritos na tabela acima;

E com relação aos filhos, a pensão por morte é devida até os 21 anos de idade, salvo em caso de invalidez ou deficiência adquiridas antes dos 21, que será vitalícia ou da emancipação, que suspenderá o direito de pensão.

 

 

Style 2

Gostei muito do atendimento, são prestativos, comunicativos e me orientam da forma correta.

Rose Kelly da Hora

Atendimento Ótimo! Recomendo para outras pessoas, já indiquei para 3 amigos.

Johnathan Santos

Eu fui super bem atendido pela Dr.a Graziele e sua equipe. Me guiou em todo o processo e tivemos êxito, recomendo de olhos fechados.

Carlos Júnior Salas

Como pedir minha aposentadoria?

Uma pergunta que não quer calar: Posso pedir minha aposentadoria sozinho? Ou seja, sem precisa de um advogado para me ajudar. Você mesmo deve estar procurando por essa resposta e chegou aqui e vamos te responder!

Sim, é possível realizar esse pedido sem o ajuda de um advogado especialista.

O problema é o seguinte: Você precisa ter muito cuidado na hora de fazer o pedido para que isso não prejudique sua aposentadoria para o resto da sua vida, pois pode ser que nem tudo seja como você imagina.

A aposentadoria pode ser negada pelo INSS ou talvez o valor da aposentadoria pode ser menor do que você espera.

Já ouvimos muita gente dizer: Não preciso de ajuda, basta ir ao INSS e aguardar que a aposentadoria sai!

Será? Vou colocar essa pulga atrás da sua orelha, mas também vou te dar algumas dicas para você analisar antes de fazer seu pedido se vale a pena fazer esse pedido sozinho:

  • Posso fazer o pedido de aposentadoria quando “me der na telha”?

Sobre aposentadoria uma coisa é 100% verdade: Fazer o pedido na data errada pode deixar a aposentadoria bem menor ou ainda pode fazer com que o benefício seja negado.

Sendo assim, pedir a aposentadoria quando der na telha, sem ter certeza de que está na melhor hora pode fazer o valor ficar bem abaixo do que é esperado.

Ainda existe a questão da reforma da previdência, que pode te dar várias opções, devendo escolher qual dessas será mis vantajosa no seu caso.

Outra questão que merece cuidado é o fato de ter inúmeros tipos de aposentadoria no INSS.  Pode ser que você tenha direito a mais de uma forma.

Se você acredita que chegou a hora da sua aposentadoria , mas não tem certeza dos detalhes, considere fazer um cálculo previdenciário antes para entender a sua situação antes de fazer o pedido.

2 – O caso do seu conhecido não serve para você

“Doutora, mas o meu amigo tem a minha idade, trabalha o mesmo tempo que eu, então minha aposentadoria vai ser igual à dele!”  Isso é um grande engano. Cada pessoa tem suas particularidades e com certeza impactarão no valor da aposentadoria. Para saber os valores do benefício é preciso saber qual era a profissão, se existia algum adicional (insalubridade, periculosidade), até horas extras fazem diferença no cálculo do valor do benefício. Cada mês de contribuição entra no cálculo.

Se você decidir pedir a aposentadoria sozinho entenda que não dá para levar em consideração as aposentadorias de outras pessoas.

3 – Aceitar qualquer benefício sem entender o dinheiro que está perdendo

Você sabia que existem inúmeros tipos de aposentadoria? Tem por idade, do deficiente, rural, especial, por tempo de contribuição… Além de todas as regras de transição criadas com a Reforma da Previdência.

O contribuinte, querendo receber um dinheiro fixo do governo todo mês, pede a aposentadoria mais rápida e simples, sem se preocupar em validar toda a documentação que tem.

Essa impaciência, porém, pode impactar no valor da aposentadoria. Esperar alguns meses pode fazer uma grande diferença no valor a ser recebido.

Optar por uma aposentadoria sem calcular todos os tipos de contribuição que você possui pode gerar uma aposentadoria defeituosa.

4 – Não calcular a aposentadoria ou não fazer Planejamento Previdenciário

O pedido de aposentadoria pode apontar defeitos nas contribuições ou nos registros e causar algumas dores de cabeça.

Isto se dá porquê muitos trabalhadores não contribuíram da forma correta ao INSS. Ou, ainda, deixou algum período sem pagamento, não guardou a documentação necessária, o não sabe o que vai precisar.

Tanto o planejamento previdenciário, quanto o cálculo previdenciário são trabalhos indicados para quem quer saber a melhor hora de pedir a aposentadoria.

A diferença entre eles está na complexidade dos cálculos. Cada advogado tem sua peculiaridade.

Aqui no nosso escritório (Graziele Lopes Advocacia), indicamos o planejamento para as pessoas autônomas, eu contribuem através de carnê, que podem controlar suas contribuições e também para os SERVIDORES PÚBLICOS, que precisam averbar alguns períodos do INSS no local onde está concursado. O planejamento deve ser feito anos antes de se aposentar, pois só assim você conseguirá alterar os valores do seu benefício.

Sobre o cálculo da aposentadoria, acreditamos ser interessante para aquelas pessoas que estão bem pertinho da data da aposentadoria, mas não sabe se já pode pedir, se cumpriu os requisitos exigidos e qual tipo é o mais indicado em seu caso.

5 – Não conferir se todas as contribuições estão no CNIS

O CNIS é um extrato onde deve aparecer todos os seus registros de trabalho, mês a mês deve estar constando ali.

Acontece que é comum existirem erros no INSS, e quando isso acontece, esse tempo não estará contando para sua aposentadoria. Por causa disso, muitas vezes o contribuinte já tem tempo para se aposentar, mas o INSS nega.  Poucos são os que conferem o CNIS com a carteira de trabalho, os carnês e os documentos de trabalho que possui

Se você quer pedir sua aposentadoria sem ajuda profissional, confira o CNIS. Se tiver erros, solicite a correção antes de fazer a solicitação do benefício no INSS.

6 – Deixar de pedir reconhecimento da atividade especial

O trabalho realizado em locais que podem causar danos à sua saúde ou à sua vida é considerado de forma especial. Essas atividades podem te dar direito à uma aposentadoria mais cedo e com valores melhores.

A principal questão com relação aos períodos especiais é que o INSS dificulta muito esse reconhecimento e ele não é feito automaticamente. Sendo assim, se você trabalhou em algum local com insalubridade ou periculosidade, você precisa levar a documentação correta na hora de pedir a aposentadoria.

Se você quiser saber mais sobre aposentadoria especial, clique aqui e entenda como isso pode melhorar muito os seus direitos.

7 – Acreditar que não tem direito porque o INSS negou seu pedido

Quem lida com o INSS diariamente sabe: Não existe garantia de que o INSS vai conceder a aposentadoria. Muitas vezes não encontramos nem motivos, mas o INSS negou.

Tenha isso em mente: existe a possibilidade do pedido ser negado. Isso não quer dizer que você não tem direito de se aposentar. Talvez seja algum parâmetro que INSS usou e que você não sabe como ajustar, ou talvez falte algum documento, ou ainda foi um erro do próprio INSS. Não desista do seu direito.

Se o benefício seja negado, procure entender a razão da negativa e ajustar o que for necessário para continuar seu processo.

Conclusão

Se você leu o texto completo, já entendeu que pode pedir sua aposentadoria sozinho, mas precisar ter muito cuidado e atenção para não ser prejudicado.

A aposentadoria é importante porque é o dinheiro que vai sustentar a fase mais delicada das nossas vidas. Não abandone o que você passou sua vida toda construindo.

Pedir a aposentadoria pode dar muito trabalho, por isso indicamos que você busque um advogado especialista na área previdenciária, pois ele vai conseguir te ajudar a chegar no melhor benefício. Solicitar a aposentadoria pode trazer dores de cabeça ao trabalhador.

Aqui no nosso escritório temos advogados especializados, quem lidam todos os dias com o INSS e que são qualificados para resolver quaisquer questões de aposentadoria, pensão e revisão de benefício. Fale com um especialista.

Meu benefício foi cortado, o que fazer?

 

Existem vários tipos de cortes à benefícios, pode ser que o INSS tenha entendido existir irregularidade no recebimento, erro nos cálculos de concessão… Mas os principais benefícios que sofrem cortes são os Benefícios por incapacidade: auxílio doença, aposentadoria por incapacidade (antiga aposentadoria por invalidez).

Vez ou outra recebemos a notícia que o INSS fará um novo PENTE FINO, e nesses mutirões cancelam inúmeras aposentadorias por incapacidade e auxílios-doenças. Na prática, entendemos que os cortes são grandes arbitrariedades.

Muitos que realmente estão doentes ou com sequelas definitivas são chamados para perícia e a perícia dá alta para pessoas totalmente capaz.

Se isso aconteceu com você, o caminho é entrar em contato imediatamente com o escritório para analisarmos seu caso e entrar na justiça para brigar por seu direito.

 

Preciso de pensão por morte, o que eu faço?

 

Será que eu tenho direito à pensão por morte?

A pensão por morte é um benefício destinado aos dependentes do contribuinte do INSS que falece. Acontece que este benefício tem muitos detalhes. Por exemplo: o prazo para recebimento do benefício varia de acordo com a idade do beneficiário e, também, de quanto tempo o falecido está junto com o companheiro(a).

O benefício durará somente 04 meses, contados da data do óbito, nas seguintes hipóteses:

1° Se o falecido tiver menos que 18 contribuições

2° Se o casamento ou a união estável tiver menos que 2 anos do falecimento

3° Se recebia pensão alimentícia

Entretanto, o benefício terá duração variável conforme a tabela abaixo, desde que o falecido tenha mais que 18 contribuições mensais e o casamento ou união estável tenha mais de 2 anos:

Idade do dependente na data do óbito Duração máxima do benefício
menos de 21 anos 3 anos
entre 21 e 26 anos 6 anos
entre 27 e 29 anos 10 anos
entre 30 e 40 anos 15 anos
entre 41 e 43 anos 20 anos
À partir de 44 anos Vitalício

 

Existe exceção, caso o falecimento seja decorrente de acidente de qualquer natureza, independentemente da quantidade de contribuições ou quanto tempo de casamento/união estável.

Outra questão importante é que o cônjuge incapaz/inválido ou com deficiência terá direito ao benefício enquanto durar a deficiência ou incapacidade, devendo ser respeitados os prazos mínimos descritos na tabela acima;

E com relação aos filhos, a pensão por morte é devida até os 21 anos de idade, salvo em caso de invalidez ou deficiência adquiridas antes dos 21, que será vitalícia ou da emancipação, que suspenderá o direito de pensão.

 

 

Style 3

Gostei muito do atendimento, são prestativos, comunicativos e me orientam da forma correta.

Rose Kelly da Hora

Atendimento Ótimo! Recomendo para outras pessoas, já indiquei para 3 amigos.

Johnathan Santos

Eu fui super bem atendido pela Dr.a Graziele e sua equipe. Me guiou em todo o processo e tivemos êxito, recomendo de olhos fechados.

Carlos Júnior Salas

Como pedir minha aposentadoria?

Uma pergunta que não quer calar: Posso pedir minha aposentadoria sozinho? Ou seja, sem precisa de um advogado para me ajudar. Você mesmo deve estar procurando por essa resposta e chegou aqui e vamos te responder!

Sim, é possível realizar esse pedido sem o ajuda de um advogado especialista.

O problema é o seguinte: Você precisa ter muito cuidado na hora de fazer o pedido para que isso não prejudique sua aposentadoria para o resto da sua vida, pois pode ser que nem tudo seja como você imagina.

A aposentadoria pode ser negada pelo INSS ou talvez o valor da aposentadoria pode ser menor do que você espera.

Já ouvimos muita gente dizer: Não preciso de ajuda, basta ir ao INSS e aguardar que a aposentadoria sai!

Será? Vou colocar essa pulga atrás da sua orelha, mas também vou te dar algumas dicas para você analisar antes de fazer seu pedido se vale a pena fazer esse pedido sozinho:

  • Posso fazer o pedido de aposentadoria quando “me der na telha”?

Sobre aposentadoria uma coisa é 100% verdade: Fazer o pedido na data errada pode deixar a aposentadoria bem menor ou ainda pode fazer com que o benefício seja negado.

Sendo assim, pedir a aposentadoria quando der na telha, sem ter certeza de que está na melhor hora pode fazer o valor ficar bem abaixo do que é esperado.

Ainda existe a questão da reforma da previdência, que pode te dar várias opções, devendo escolher qual dessas será mis vantajosa no seu caso.

Outra questão que merece cuidado é o fato de ter inúmeros tipos de aposentadoria no INSS.  Pode ser que você tenha direito a mais de uma forma.

Se você acredita que chegou a hora da sua aposentadoria , mas não tem certeza dos detalhes, considere fazer um cálculo previdenciário antes para entender a sua situação antes de fazer o pedido.

2 – O caso do seu conhecido não serve para você

“Doutora, mas o meu amigo tem a minha idade, trabalha o mesmo tempo que eu, então minha aposentadoria vai ser igual à dele!”  Isso é um grande engano. Cada pessoa tem suas particularidades e com certeza impactarão no valor da aposentadoria. Para saber os valores do benefício é preciso saber qual era a profissão, se existia algum adicional (insalubridade, periculosidade), até horas extras fazem diferença no cálculo do valor do benefício. Cada mês de contribuição entra no cálculo.

Se você decidir pedir a aposentadoria sozinho entenda que não dá para levar em consideração as aposentadorias de outras pessoas.

3 – Aceitar qualquer benefício sem entender o dinheiro que está perdendo

Você sabia que existem inúmeros tipos de aposentadoria? Tem por idade, do deficiente, rural, especial, por tempo de contribuição… Além de todas as regras de transição criadas com a Reforma da Previdência.

O contribuinte, querendo receber um dinheiro fixo do governo todo mês, pede a aposentadoria mais rápida e simples, sem se preocupar em validar toda a documentação que tem.

Essa impaciência, porém, pode impactar no valor da aposentadoria. Esperar alguns meses pode fazer uma grande diferença no valor a ser recebido.

Optar por uma aposentadoria sem calcular todos os tipos de contribuição que você possui pode gerar uma aposentadoria defeituosa.

4 – Não calcular a aposentadoria ou não fazer Planejamento Previdenciário

O pedido de aposentadoria pode apontar defeitos nas contribuições ou nos registros e causar algumas dores de cabeça.

Isto se dá porquê muitos trabalhadores não contribuíram da forma correta ao INSS. Ou, ainda, deixou algum período sem pagamento, não guardou a documentação necessária, o não sabe o que vai precisar.

Tanto o planejamento previdenciário, quanto o cálculo previdenciário são trabalhos indicados para quem quer saber a melhor hora de pedir a aposentadoria.

A diferença entre eles está na complexidade dos cálculos. Cada advogado tem sua peculiaridade.

Aqui no nosso escritório (Graziele Lopes Advocacia), indicamos o planejamento para as pessoas autônomas, eu contribuem através de carnê, que podem controlar suas contribuições e também para os SERVIDORES PÚBLICOS, que precisam averbar alguns períodos do INSS no local onde está concursado. O planejamento deve ser feito anos antes de se aposentar, pois só assim você conseguirá alterar os valores do seu benefício.

Sobre o cálculo da aposentadoria, acreditamos ser interessante para aquelas pessoas que estão bem pertinho da data da aposentadoria, mas não sabe se já pode pedir, se cumpriu os requisitos exigidos e qual tipo é o mais indicado em seu caso.

5 – Não conferir se todas as contribuições estão no CNIS

O CNIS é um extrato onde deve aparecer todos os seus registros de trabalho, mês a mês deve estar constando ali.

Acontece que é comum existirem erros no INSS, e quando isso acontece, esse tempo não estará contando para sua aposentadoria. Por causa disso, muitas vezes o contribuinte já tem tempo para se aposentar, mas o INSS nega.  Poucos são os que conferem o CNIS com a carteira de trabalho, os carnês e os documentos de trabalho que possui

Se você quer pedir sua aposentadoria sem ajuda profissional, confira o CNIS. Se tiver erros, solicite a correção antes de fazer a solicitação do benefício no INSS.

6 – Deixar de pedir reconhecimento da atividade especial

O trabalho realizado em locais que podem causar danos à sua saúde ou à sua vida é considerado de forma especial. Essas atividades podem te dar direito à uma aposentadoria mais cedo e com valores melhores.

A principal questão com relação aos períodos especiais é que o INSS dificulta muito esse reconhecimento e ele não é feito automaticamente. Sendo assim, se você trabalhou em algum local com insalubridade ou periculosidade, você precisa levar a documentação correta na hora de pedir a aposentadoria.

Se você quiser saber mais sobre aposentadoria especial, clique aqui e entenda como isso pode melhorar muito os seus direitos.

7 – Acreditar que não tem direito porque o INSS negou seu pedido

Quem lida com o INSS diariamente sabe: Não existe garantia de que o INSS vai conceder a aposentadoria. Muitas vezes não encontramos nem motivos, mas o INSS negou.

Tenha isso em mente: existe a possibilidade do pedido ser negado. Isso não quer dizer que você não tem direito de se aposentar. Talvez seja algum parâmetro que INSS usou e que você não sabe como ajustar, ou talvez falte algum documento, ou ainda foi um erro do próprio INSS. Não desista do seu direito.

Se o benefício seja negado, procure entender a razão da negativa e ajustar o que for necessário para continuar seu processo.

Conclusão

Se você leu o texto completo, já entendeu que pode pedir sua aposentadoria sozinho, mas precisar ter muito cuidado e atenção para não ser prejudicado.

A aposentadoria é importante porque é o dinheiro que vai sustentar a fase mais delicada das nossas vidas. Não abandone o que você passou sua vida toda construindo.

Pedir a aposentadoria pode dar muito trabalho, por isso indicamos que você busque um advogado especialista na área previdenciária, pois ele vai conseguir te ajudar a chegar no melhor benefício. Solicitar a aposentadoria pode trazer dores de cabeça ao trabalhador.

Aqui no nosso escritório temos advogados especializados, quem lidam todos os dias com o INSS e que são qualificados para resolver quaisquer questões de aposentadoria, pensão e revisão de benefício. Fale com um especialista.

Meu benefício foi cortado, o que fazer?

 

Existem vários tipos de cortes à benefícios, pode ser que o INSS tenha entendido existir irregularidade no recebimento, erro nos cálculos de concessão… Mas os principais benefícios que sofrem cortes são os Benefícios por incapacidade: auxílio doença, aposentadoria por incapacidade (antiga aposentadoria por invalidez).

Vez ou outra recebemos a notícia que o INSS fará um novo PENTE FINO, e nesses mutirões cancelam inúmeras aposentadorias por incapacidade e auxílios-doenças. Na prática, entendemos que os cortes são grandes arbitrariedades.

Muitos que realmente estão doentes ou com sequelas definitivas são chamados para perícia e a perícia dá alta para pessoas totalmente capaz.

Se isso aconteceu com você, o caminho é entrar em contato imediatamente com o escritório para analisarmos seu caso e entrar na justiça para brigar por seu direito.

 

Preciso de pensão por morte, o que eu faço?

 

Será que eu tenho direito à pensão por morte?

A pensão por morte é um benefício destinado aos dependentes do contribuinte do INSS que falece. Acontece que este benefício tem muitos detalhes. Por exemplo: o prazo para recebimento do benefício varia de acordo com a idade do beneficiário e, também, de quanto tempo o falecido está junto com o companheiro(a).

O benefício durará somente 04 meses, contados da data do óbito, nas seguintes hipóteses:

1° Se o falecido tiver menos que 18 contribuições

2° Se o casamento ou a união estável tiver menos que 2 anos do falecimento

3° Se recebia pensão alimentícia

Entretanto, o benefício terá duração variável conforme a tabela abaixo, desde que o falecido tenha mais que 18 contribuições mensais e o casamento ou união estável tenha mais de 2 anos:

Idade do dependente na data do óbito Duração máxima do benefício
menos de 21 anos 3 anos
entre 21 e 26 anos 6 anos
entre 27 e 29 anos 10 anos
entre 30 e 40 anos 15 anos
entre 41 e 43 anos 20 anos
À partir de 44 anos Vitalício

 

Existe exceção, caso o falecimento seja decorrente de acidente de qualquer natureza, independentemente da quantidade de contribuições ou quanto tempo de casamento/união estável.

Outra questão importante é que o cônjuge incapaz/inválido ou com deficiência terá direito ao benefício enquanto durar a deficiência ou incapacidade, devendo ser respeitados os prazos mínimos descritos na tabela acima;

E com relação aos filhos, a pensão por morte é devida até os 21 anos de idade, salvo em caso de invalidez ou deficiência adquiridas antes dos 21, que será vitalícia ou da emancipação, que suspenderá o direito de pensão.

 

 

Style 4

Gostei muito do atendimento, são prestativos, comunicativos e me orientam da forma correta.

Rose Kelly da Hora

Atendimento Ótimo! Recomendo para outras pessoas, já indiquei para 3 amigos.

Johnathan Santos

Eu fui super bem atendido pela Dr.a Graziele e sua equipe. Me guiou em todo o processo e tivemos êxito, recomendo de olhos fechados.

Carlos Júnior Salas

Como pedir minha aposentadoria?

Uma pergunta que não quer calar: Posso pedir minha aposentadoria sozinho? Ou seja, sem precisa de um advogado para me ajudar. Você mesmo deve estar procurando por essa resposta e chegou aqui e vamos te responder!

Sim, é possível realizar esse pedido sem o ajuda de um advogado especialista.

O problema é o seguinte: Você precisa ter muito cuidado na hora de fazer o pedido para que isso não prejudique sua aposentadoria para o resto da sua vida, pois pode ser que nem tudo seja como você imagina.

A aposentadoria pode ser negada pelo INSS ou talvez o valor da aposentadoria pode ser menor do que você espera.

Já ouvimos muita gente dizer: Não preciso de ajuda, basta ir ao INSS e aguardar que a aposentadoria sai!

Será? Vou colocar essa pulga atrás da sua orelha, mas também vou te dar algumas dicas para você analisar antes de fazer seu pedido se vale a pena fazer esse pedido sozinho:

  • Posso fazer o pedido de aposentadoria quando “me der na telha”?

Sobre aposentadoria uma coisa é 100% verdade: Fazer o pedido na data errada pode deixar a aposentadoria bem menor ou ainda pode fazer com que o benefício seja negado.

Sendo assim, pedir a aposentadoria quando der na telha, sem ter certeza de que está na melhor hora pode fazer o valor ficar bem abaixo do que é esperado.

Ainda existe a questão da reforma da previdência, que pode te dar várias opções, devendo escolher qual dessas será mis vantajosa no seu caso.

Outra questão que merece cuidado é o fato de ter inúmeros tipos de aposentadoria no INSS.  Pode ser que você tenha direito a mais de uma forma.

Se você acredita que chegou a hora da sua aposentadoria , mas não tem certeza dos detalhes, considere fazer um cálculo previdenciário antes para entender a sua situação antes de fazer o pedido.

2 – O caso do seu conhecido não serve para você

“Doutora, mas o meu amigo tem a minha idade, trabalha o mesmo tempo que eu, então minha aposentadoria vai ser igual à dele!”  Isso é um grande engano. Cada pessoa tem suas particularidades e com certeza impactarão no valor da aposentadoria. Para saber os valores do benefício é preciso saber qual era a profissão, se existia algum adicional (insalubridade, periculosidade), até horas extras fazem diferença no cálculo do valor do benefício. Cada mês de contribuição entra no cálculo.

Se você decidir pedir a aposentadoria sozinho entenda que não dá para levar em consideração as aposentadorias de outras pessoas.

3 – Aceitar qualquer benefício sem entender o dinheiro que está perdendo

Você sabia que existem inúmeros tipos de aposentadoria? Tem por idade, do deficiente, rural, especial, por tempo de contribuição… Além de todas as regras de transição criadas com a Reforma da Previdência.

O contribuinte, querendo receber um dinheiro fixo do governo todo mês, pede a aposentadoria mais rápida e simples, sem se preocupar em validar toda a documentação que tem.

Essa impaciência, porém, pode impactar no valor da aposentadoria. Esperar alguns meses pode fazer uma grande diferença no valor a ser recebido.

Optar por uma aposentadoria sem calcular todos os tipos de contribuição que você possui pode gerar uma aposentadoria defeituosa.

4 – Não calcular a aposentadoria ou não fazer Planejamento Previdenciário

O pedido de aposentadoria pode apontar defeitos nas contribuições ou nos registros e causar algumas dores de cabeça.

Isto se dá porquê muitos trabalhadores não contribuíram da forma correta ao INSS. Ou, ainda, deixou algum período sem pagamento, não guardou a documentação necessária, o não sabe o que vai precisar.

Tanto o planejamento previdenciário, quanto o cálculo previdenciário são trabalhos indicados para quem quer saber a melhor hora de pedir a aposentadoria.

A diferença entre eles está na complexidade dos cálculos. Cada advogado tem sua peculiaridade.

Aqui no nosso escritório (Graziele Lopes Advocacia), indicamos o planejamento para as pessoas autônomas, eu contribuem através de carnê, que podem controlar suas contribuições e também para os SERVIDORES PÚBLICOS, que precisam averbar alguns períodos do INSS no local onde está concursado. O planejamento deve ser feito anos antes de se aposentar, pois só assim você conseguirá alterar os valores do seu benefício.

Sobre o cálculo da aposentadoria, acreditamos ser interessante para aquelas pessoas que estão bem pertinho da data da aposentadoria, mas não sabe se já pode pedir, se cumpriu os requisitos exigidos e qual tipo é o mais indicado em seu caso.

5 – Não conferir se todas as contribuições estão no CNIS

O CNIS é um extrato onde deve aparecer todos os seus registros de trabalho, mês a mês deve estar constando ali.

Acontece que é comum existirem erros no INSS, e quando isso acontece, esse tempo não estará contando para sua aposentadoria. Por causa disso, muitas vezes o contribuinte já tem tempo para se aposentar, mas o INSS nega.  Poucos são os que conferem o CNIS com a carteira de trabalho, os carnês e os documentos de trabalho que possui

Se você quer pedir sua aposentadoria sem ajuda profissional, confira o CNIS. Se tiver erros, solicite a correção antes de fazer a solicitação do benefício no INSS.

6 – Deixar de pedir reconhecimento da atividade especial

O trabalho realizado em locais que podem causar danos à sua saúde ou à sua vida é considerado de forma especial. Essas atividades podem te dar direito à uma aposentadoria mais cedo e com valores melhores.

A principal questão com relação aos períodos especiais é que o INSS dificulta muito esse reconhecimento e ele não é feito automaticamente. Sendo assim, se você trabalhou em algum local com insalubridade ou periculosidade, você precisa levar a documentação correta na hora de pedir a aposentadoria.

Se você quiser saber mais sobre aposentadoria especial, clique aqui e entenda como isso pode melhorar muito os seus direitos.

7 – Acreditar que não tem direito porque o INSS negou seu pedido

Quem lida com o INSS diariamente sabe: Não existe garantia de que o INSS vai conceder a aposentadoria. Muitas vezes não encontramos nem motivos, mas o INSS negou.

Tenha isso em mente: existe a possibilidade do pedido ser negado. Isso não quer dizer que você não tem direito de se aposentar. Talvez seja algum parâmetro que INSS usou e que você não sabe como ajustar, ou talvez falte algum documento, ou ainda foi um erro do próprio INSS. Não desista do seu direito.

Se o benefício seja negado, procure entender a razão da negativa e ajustar o que for necessário para continuar seu processo.

Conclusão

Se você leu o texto completo, já entendeu que pode pedir sua aposentadoria sozinho, mas precisar ter muito cuidado e atenção para não ser prejudicado.

A aposentadoria é importante porque é o dinheiro que vai sustentar a fase mais delicada das nossas vidas. Não abandone o que você passou sua vida toda construindo.

Pedir a aposentadoria pode dar muito trabalho, por isso indicamos que você busque um advogado especialista na área previdenciária, pois ele vai conseguir te ajudar a chegar no melhor benefício. Solicitar a aposentadoria pode trazer dores de cabeça ao trabalhador.

Aqui no nosso escritório temos advogados especializados, quem lidam todos os dias com o INSS e que são qualificados para resolver quaisquer questões de aposentadoria, pensão e revisão de benefício. Fale com um especialista.

Meu benefício foi cortado, o que fazer?

 

Existem vários tipos de cortes à benefícios, pode ser que o INSS tenha entendido existir irregularidade no recebimento, erro nos cálculos de concessão… Mas os principais benefícios que sofrem cortes são os Benefícios por incapacidade: auxílio doença, aposentadoria por incapacidade (antiga aposentadoria por invalidez).

Vez ou outra recebemos a notícia que o INSS fará um novo PENTE FINO, e nesses mutirões cancelam inúmeras aposentadorias por incapacidade e auxílios-doenças. Na prática, entendemos que os cortes são grandes arbitrariedades.

Muitos que realmente estão doentes ou com sequelas definitivas são chamados para perícia e a perícia dá alta para pessoas totalmente capaz.

Se isso aconteceu com você, o caminho é entrar em contato imediatamente com o escritório para analisarmos seu caso e entrar na justiça para brigar por seu direito.

 

Preciso de pensão por morte, o que eu faço?

 

Será que eu tenho direito à pensão por morte?

A pensão por morte é um benefício destinado aos dependentes do contribuinte do INSS que falece. Acontece que este benefício tem muitos detalhes. Por exemplo: o prazo para recebimento do benefício varia de acordo com a idade do beneficiário e, também, de quanto tempo o falecido está junto com o companheiro(a).

O benefício durará somente 04 meses, contados da data do óbito, nas seguintes hipóteses:

1° Se o falecido tiver menos que 18 contribuições

2° Se o casamento ou a união estável tiver menos que 2 anos do falecimento

3° Se recebia pensão alimentícia

Entretanto, o benefício terá duração variável conforme a tabela abaixo, desde que o falecido tenha mais que 18 contribuições mensais e o casamento ou união estável tenha mais de 2 anos:

Idade do dependente na data do óbito Duração máxima do benefício
menos de 21 anos 3 anos
entre 21 e 26 anos 6 anos
entre 27 e 29 anos 10 anos
entre 30 e 40 anos 15 anos
entre 41 e 43 anos 20 anos
À partir de 44 anos Vitalício

 

Existe exceção, caso o falecimento seja decorrente de acidente de qualquer natureza, independentemente da quantidade de contribuições ou quanto tempo de casamento/união estável.

Outra questão importante é que o cônjuge incapaz/inválido ou com deficiência terá direito ao benefício enquanto durar a deficiência ou incapacidade, devendo ser respeitados os prazos mínimos descritos na tabela acima;

E com relação aos filhos, a pensão por morte é devida até os 21 anos de idade, salvo em caso de invalidez ou deficiência adquiridas antes dos 21, que será vitalícia ou da emancipação, que suspenderá o direito de pensão.

 

 

Style 5

Gostei muito do atendimento, são prestativos, comunicativos e me orientam da forma correta.

Rose Kelly da Hora

Atendimento Ótimo! Recomendo para outras pessoas, já indiquei para 3 amigos.

Johnathan Santos

Eu fui super bem atendido pela Dr.a Graziele e sua equipe. Me guiou em todo o processo e tivemos êxito, recomendo de olhos fechados.

Carlos Júnior Salas

Como pedir minha aposentadoria?

Uma pergunta que não quer calar: Posso pedir minha aposentadoria sozinho? Ou seja, sem precisa de um advogado para me ajudar. Você mesmo deve estar procurando por essa resposta e chegou aqui e vamos te responder!

Sim, é possível realizar esse pedido sem o ajuda de um advogado especialista.

O problema é o seguinte: Você precisa ter muito cuidado na hora de fazer o pedido para que isso não prejudique sua aposentadoria para o resto da sua vida, pois pode ser que nem tudo seja como você imagina.

A aposentadoria pode ser negada pelo INSS ou talvez o valor da aposentadoria pode ser menor do que você espera.

Já ouvimos muita gente dizer: Não preciso de ajuda, basta ir ao INSS e aguardar que a aposentadoria sai!

Será? Vou colocar essa pulga atrás da sua orelha, mas também vou te dar algumas dicas para você analisar antes de fazer seu pedido se vale a pena fazer esse pedido sozinho:

  • Posso fazer o pedido de aposentadoria quando “me der na telha”?

Sobre aposentadoria uma coisa é 100% verdade: Fazer o pedido na data errada pode deixar a aposentadoria bem menor ou ainda pode fazer com que o benefício seja negado.

Sendo assim, pedir a aposentadoria quando der na telha, sem ter certeza de que está na melhor hora pode fazer o valor ficar bem abaixo do que é esperado.

Ainda existe a questão da reforma da previdência, que pode te dar várias opções, devendo escolher qual dessas será mis vantajosa no seu caso.

Outra questão que merece cuidado é o fato de ter inúmeros tipos de aposentadoria no INSS.  Pode ser que você tenha direito a mais de uma forma.

Se você acredita que chegou a hora da sua aposentadoria , mas não tem certeza dos detalhes, considere fazer um cálculo previdenciário antes para entender a sua situação antes de fazer o pedido.

2 – O caso do seu conhecido não serve para você

“Doutora, mas o meu amigo tem a minha idade, trabalha o mesmo tempo que eu, então minha aposentadoria vai ser igual à dele!”  Isso é um grande engano. Cada pessoa tem suas particularidades e com certeza impactarão no valor da aposentadoria. Para saber os valores do benefício é preciso saber qual era a profissão, se existia algum adicional (insalubridade, periculosidade), até horas extras fazem diferença no cálculo do valor do benefício. Cada mês de contribuição entra no cálculo.

Se você decidir pedir a aposentadoria sozinho entenda que não dá para levar em consideração as aposentadorias de outras pessoas.

3 – Aceitar qualquer benefício sem entender o dinheiro que está perdendo

Você sabia que existem inúmeros tipos de aposentadoria? Tem por idade, do deficiente, rural, especial, por tempo de contribuição… Além de todas as regras de transição criadas com a Reforma da Previdência.

O contribuinte, querendo receber um dinheiro fixo do governo todo mês, pede a aposentadoria mais rápida e simples, sem se preocupar em validar toda a documentação que tem.

Essa impaciência, porém, pode impactar no valor da aposentadoria. Esperar alguns meses pode fazer uma grande diferença no valor a ser recebido.

Optar por uma aposentadoria sem calcular todos os tipos de contribuição que você possui pode gerar uma aposentadoria defeituosa.

4 – Não calcular a aposentadoria ou não fazer Planejamento Previdenciário

O pedido de aposentadoria pode apontar defeitos nas contribuições ou nos registros e causar algumas dores de cabeça.

Isto se dá porquê muitos trabalhadores não contribuíram da forma correta ao INSS. Ou, ainda, deixou algum período sem pagamento, não guardou a documentação necessária, o não sabe o que vai precisar.

Tanto o planejamento previdenciário, quanto o cálculo previdenciário são trabalhos indicados para quem quer saber a melhor hora de pedir a aposentadoria.

A diferença entre eles está na complexidade dos cálculos. Cada advogado tem sua peculiaridade.

Aqui no nosso escritório (Graziele Lopes Advocacia), indicamos o planejamento para as pessoas autônomas, eu contribuem através de carnê, que podem controlar suas contribuições e também para os SERVIDORES PÚBLICOS, que precisam averbar alguns períodos do INSS no local onde está concursado. O planejamento deve ser feito anos antes de se aposentar, pois só assim você conseguirá alterar os valores do seu benefício.

Sobre o cálculo da aposentadoria, acreditamos ser interessante para aquelas pessoas que estão bem pertinho da data da aposentadoria, mas não sabe se já pode pedir, se cumpriu os requisitos exigidos e qual tipo é o mais indicado em seu caso.

5 – Não conferir se todas as contribuições estão no CNIS

O CNIS é um extrato onde deve aparecer todos os seus registros de trabalho, mês a mês deve estar constando ali.

Acontece que é comum existirem erros no INSS, e quando isso acontece, esse tempo não estará contando para sua aposentadoria. Por causa disso, muitas vezes o contribuinte já tem tempo para se aposentar, mas o INSS nega.  Poucos são os que conferem o CNIS com a carteira de trabalho, os carnês e os documentos de trabalho que possui

Se você quer pedir sua aposentadoria sem ajuda profissional, confira o CNIS. Se tiver erros, solicite a correção antes de fazer a solicitação do benefício no INSS.

6 – Deixar de pedir reconhecimento da atividade especial

O trabalho realizado em locais que podem causar danos à sua saúde ou à sua vida é considerado de forma especial. Essas atividades podem te dar direito à uma aposentadoria mais cedo e com valores melhores.

A principal questão com relação aos períodos especiais é que o INSS dificulta muito esse reconhecimento e ele não é feito automaticamente. Sendo assim, se você trabalhou em algum local com insalubridade ou periculosidade, você precisa levar a documentação correta na hora de pedir a aposentadoria.

Se você quiser saber mais sobre aposentadoria especial, clique aqui e entenda como isso pode melhorar muito os seus direitos.

7 – Acreditar que não tem direito porque o INSS negou seu pedido

Quem lida com o INSS diariamente sabe: Não existe garantia de que o INSS vai conceder a aposentadoria. Muitas vezes não encontramos nem motivos, mas o INSS negou.

Tenha isso em mente: existe a possibilidade do pedido ser negado. Isso não quer dizer que você não tem direito de se aposentar. Talvez seja algum parâmetro que INSS usou e que você não sabe como ajustar, ou talvez falte algum documento, ou ainda foi um erro do próprio INSS. Não desista do seu direito.

Se o benefício seja negado, procure entender a razão da negativa e ajustar o que for necessário para continuar seu processo.

Conclusão

Se você leu o texto completo, já entendeu que pode pedir sua aposentadoria sozinho, mas precisar ter muito cuidado e atenção para não ser prejudicado.

A aposentadoria é importante porque é o dinheiro que vai sustentar a fase mais delicada das nossas vidas. Não abandone o que você passou sua vida toda construindo.

Pedir a aposentadoria pode dar muito trabalho, por isso indicamos que você busque um advogado especialista na área previdenciária, pois ele vai conseguir te ajudar a chegar no melhor benefício. Solicitar a aposentadoria pode trazer dores de cabeça ao trabalhador.

Aqui no nosso escritório temos advogados especializados, quem lidam todos os dias com o INSS e que são qualificados para resolver quaisquer questões de aposentadoria, pensão e revisão de benefício. Fale com um especialista.

Meu benefício foi cortado, o que fazer?

 

Existem vários tipos de cortes à benefícios, pode ser que o INSS tenha entendido existir irregularidade no recebimento, erro nos cálculos de concessão… Mas os principais benefícios que sofrem cortes são os Benefícios por incapacidade: auxílio doença, aposentadoria por incapacidade (antiga aposentadoria por invalidez).

Vez ou outra recebemos a notícia que o INSS fará um novo PENTE FINO, e nesses mutirões cancelam inúmeras aposentadorias por incapacidade e auxílios-doenças. Na prática, entendemos que os cortes são grandes arbitrariedades.

Muitos que realmente estão doentes ou com sequelas definitivas são chamados para perícia e a perícia dá alta para pessoas totalmente capaz.

Se isso aconteceu com você, o caminho é entrar em contato imediatamente com o escritório para analisarmos seu caso e entrar na justiça para brigar por seu direito.

 

Preciso de pensão por morte, o que eu faço?

 

Será que eu tenho direito à pensão por morte?

A pensão por morte é um benefício destinado aos dependentes do contribuinte do INSS que falece. Acontece que este benefício tem muitos detalhes. Por exemplo: o prazo para recebimento do benefício varia de acordo com a idade do beneficiário e, também, de quanto tempo o falecido está junto com o companheiro(a).

O benefício durará somente 04 meses, contados da data do óbito, nas seguintes hipóteses:

1° Se o falecido tiver menos que 18 contribuições

2° Se o casamento ou a união estável tiver menos que 2 anos do falecimento

3° Se recebia pensão alimentícia

Entretanto, o benefício terá duração variável conforme a tabela abaixo, desde que o falecido tenha mais que 18 contribuições mensais e o casamento ou união estável tenha mais de 2 anos:

Idade do dependente na data do óbito Duração máxima do benefício
menos de 21 anos 3 anos
entre 21 e 26 anos 6 anos
entre 27 e 29 anos 10 anos
entre 30 e 40 anos 15 anos
entre 41 e 43 anos 20 anos
À partir de 44 anos Vitalício

 

Existe exceção, caso o falecimento seja decorrente de acidente de qualquer natureza, independentemente da quantidade de contribuições ou quanto tempo de casamento/união estável.

Outra questão importante é que o cônjuge incapaz/inválido ou com deficiência terá direito ao benefício enquanto durar a deficiência ou incapacidade, devendo ser respeitados os prazos mínimos descritos na tabela acima;

E com relação aos filhos, a pensão por morte é devida até os 21 anos de idade, salvo em caso de invalidez ou deficiência adquiridas antes dos 21, que será vitalícia ou da emancipação, que suspenderá o direito de pensão.

 

 

Style 6

Gostei muito do atendimento, são prestativos, comunicativos e me orientam da forma correta.

Rose Kelly da Hora

Atendimento Ótimo! Recomendo para outras pessoas, já indiquei para 3 amigos.

Johnathan Santos

Eu fui super bem atendido pela Dr.a Graziele e sua equipe. Me guiou em todo o processo e tivemos êxito, recomendo de olhos fechados.

Carlos Júnior Salas

Como pedir minha aposentadoria?

Uma pergunta que não quer calar: Posso pedir minha aposentadoria sozinho? Ou seja, sem precisa de um advogado para me ajudar. Você mesmo deve estar procurando por essa resposta e chegou aqui e vamos te responder!

Sim, é possível realizar esse pedido sem o ajuda de um advogado especialista.

O problema é o seguinte: Você precisa ter muito cuidado na hora de fazer o pedido para que isso não prejudique sua aposentadoria para o resto da sua vida, pois pode ser que nem tudo seja como você imagina.

A aposentadoria pode ser negada pelo INSS ou talvez o valor da aposentadoria pode ser menor do que você espera.

Já ouvimos muita gente dizer: Não preciso de ajuda, basta ir ao INSS e aguardar que a aposentadoria sai!

Será? Vou colocar essa pulga atrás da sua orelha, mas também vou te dar algumas dicas para você analisar antes de fazer seu pedido se vale a pena fazer esse pedido sozinho:

  • Posso fazer o pedido de aposentadoria quando “me der na telha”?

Sobre aposentadoria uma coisa é 100% verdade: Fazer o pedido na data errada pode deixar a aposentadoria bem menor ou ainda pode fazer com que o benefício seja negado.

Sendo assim, pedir a aposentadoria quando der na telha, sem ter certeza de que está na melhor hora pode fazer o valor ficar bem abaixo do que é esperado.

Ainda existe a questão da reforma da previdência, que pode te dar várias opções, devendo escolher qual dessas será mis vantajosa no seu caso.

Outra questão que merece cuidado é o fato de ter inúmeros tipos de aposentadoria no INSS.  Pode ser que você tenha direito a mais de uma forma.

Se você acredita que chegou a hora da sua aposentadoria , mas não tem certeza dos detalhes, considere fazer um cálculo previdenciário antes para entender a sua situação antes de fazer o pedido.

2 – O caso do seu conhecido não serve para você

“Doutora, mas o meu amigo tem a minha idade, trabalha o mesmo tempo que eu, então minha aposentadoria vai ser igual à dele!”  Isso é um grande engano. Cada pessoa tem suas particularidades e com certeza impactarão no valor da aposentadoria. Para saber os valores do benefício é preciso saber qual era a profissão, se existia algum adicional (insalubridade, periculosidade), até horas extras fazem diferença no cálculo do valor do benefício. Cada mês de contribuição entra no cálculo.

Se você decidir pedir a aposentadoria sozinho entenda que não dá para levar em consideração as aposentadorias de outras pessoas.

3 – Aceitar qualquer benefício sem entender o dinheiro que está perdendo

Você sabia que existem inúmeros tipos de aposentadoria? Tem por idade, do deficiente, rural, especial, por tempo de contribuição… Além de todas as regras de transição criadas com a Reforma da Previdência.

O contribuinte, querendo receber um dinheiro fixo do governo todo mês, pede a aposentadoria mais rápida e simples, sem se preocupar em validar toda a documentação que tem.

Essa impaciência, porém, pode impactar no valor da aposentadoria. Esperar alguns meses pode fazer uma grande diferença no valor a ser recebido.

Optar por uma aposentadoria sem calcular todos os tipos de contribuição que você possui pode gerar uma aposentadoria defeituosa.

4 – Não calcular a aposentadoria ou não fazer Planejamento Previdenciário

O pedido de aposentadoria pode apontar defeitos nas contribuições ou nos registros e causar algumas dores de cabeça.

Isto se dá porquê muitos trabalhadores não contribuíram da forma correta ao INSS. Ou, ainda, deixou algum período sem pagamento, não guardou a documentação necessária, o não sabe o que vai precisar.

Tanto o planejamento previdenciário, quanto o cálculo previdenciário são trabalhos indicados para quem quer saber a melhor hora de pedir a aposentadoria.

A diferença entre eles está na complexidade dos cálculos. Cada advogado tem sua peculiaridade.

Aqui no nosso escritório (Graziele Lopes Advocacia), indicamos o planejamento para as pessoas autônomas, eu contribuem através de carnê, que podem controlar suas contribuições e também para os SERVIDORES PÚBLICOS, que precisam averbar alguns períodos do INSS no local onde está concursado. O planejamento deve ser feito anos antes de se aposentar, pois só assim você conseguirá alterar os valores do seu benefício.

Sobre o cálculo da aposentadoria, acreditamos ser interessante para aquelas pessoas que estão bem pertinho da data da aposentadoria, mas não sabe se já pode pedir, se cumpriu os requisitos exigidos e qual tipo é o mais indicado em seu caso.

5 – Não conferir se todas as contribuições estão no CNIS

O CNIS é um extrato onde deve aparecer todos os seus registros de trabalho, mês a mês deve estar constando ali.

Acontece que é comum existirem erros no INSS, e quando isso acontece, esse tempo não estará contando para sua aposentadoria. Por causa disso, muitas vezes o contribuinte já tem tempo para se aposentar, mas o INSS nega.  Poucos são os que conferem o CNIS com a carteira de trabalho, os carnês e os documentos de trabalho que possui

Se você quer pedir sua aposentadoria sem ajuda profissional, confira o CNIS. Se tiver erros, solicite a correção antes de fazer a solicitação do benefício no INSS.

6 – Deixar de pedir reconhecimento da atividade especial

O trabalho realizado em locais que podem causar danos à sua saúde ou à sua vida é considerado de forma especial. Essas atividades podem te dar direito à uma aposentadoria mais cedo e com valores melhores.

A principal questão com relação aos períodos especiais é que o INSS dificulta muito esse reconhecimento e ele não é feito automaticamente. Sendo assim, se você trabalhou em algum local com insalubridade ou periculosidade, você precisa levar a documentação correta na hora de pedir a aposentadoria.

Se você quiser saber mais sobre aposentadoria especial, clique aqui e entenda como isso pode melhorar muito os seus direitos.

7 – Acreditar que não tem direito porque o INSS negou seu pedido

Quem lida com o INSS diariamente sabe: Não existe garantia de que o INSS vai conceder a aposentadoria. Muitas vezes não encontramos nem motivos, mas o INSS negou.

Tenha isso em mente: existe a possibilidade do pedido ser negado. Isso não quer dizer que você não tem direito de se aposentar. Talvez seja algum parâmetro que INSS usou e que você não sabe como ajustar, ou talvez falte algum documento, ou ainda foi um erro do próprio INSS. Não desista do seu direito.

Se o benefício seja negado, procure entender a razão da negativa e ajustar o que for necessário para continuar seu processo.

Conclusão

Se você leu o texto completo, já entendeu que pode pedir sua aposentadoria sozinho, mas precisar ter muito cuidado e atenção para não ser prejudicado.

A aposentadoria é importante porque é o dinheiro que vai sustentar a fase mais delicada das nossas vidas. Não abandone o que você passou sua vida toda construindo.

Pedir a aposentadoria pode dar muito trabalho, por isso indicamos que você busque um advogado especialista na área previdenciária, pois ele vai conseguir te ajudar a chegar no melhor benefício. Solicitar a aposentadoria pode trazer dores de cabeça ao trabalhador.

Aqui no nosso escritório temos advogados especializados, quem lidam todos os dias com o INSS e que são qualificados para resolver quaisquer questões de aposentadoria, pensão e revisão de benefício. Fale com um especialista.

Meu benefício foi cortado, o que fazer?

 

Existem vários tipos de cortes à benefícios, pode ser que o INSS tenha entendido existir irregularidade no recebimento, erro nos cálculos de concessão… Mas os principais benefícios que sofrem cortes são os Benefícios por incapacidade: auxílio doença, aposentadoria por incapacidade (antiga aposentadoria por invalidez).

Vez ou outra recebemos a notícia que o INSS fará um novo PENTE FINO, e nesses mutirões cancelam inúmeras aposentadorias por incapacidade e auxílios-doenças. Na prática, entendemos que os cortes são grandes arbitrariedades.

Muitos que realmente estão doentes ou com sequelas definitivas são chamados para perícia e a perícia dá alta para pessoas totalmente capaz.

Se isso aconteceu com você, o caminho é entrar em contato imediatamente com o escritório para analisarmos seu caso e entrar na justiça para brigar por seu direito.

 

Preciso de pensão por morte, o que eu faço?

 

Será que eu tenho direito à pensão por morte?

A pensão por morte é um benefício destinado aos dependentes do contribuinte do INSS que falece. Acontece que este benefício tem muitos detalhes. Por exemplo: o prazo para recebimento do benefício varia de acordo com a idade do beneficiário e, também, de quanto tempo o falecido está junto com o companheiro(a).

O benefício durará somente 04 meses, contados da data do óbito, nas seguintes hipóteses:

1° Se o falecido tiver menos que 18 contribuições

2° Se o casamento ou a união estável tiver menos que 2 anos do falecimento

3° Se recebia pensão alimentícia

Entretanto, o benefício terá duração variável conforme a tabela abaixo, desde que o falecido tenha mais que 18 contribuições mensais e o casamento ou união estável tenha mais de 2 anos:

Idade do dependente na data do óbito Duração máxima do benefício
menos de 21 anos 3 anos
entre 21 e 26 anos 6 anos
entre 27 e 29 anos 10 anos
entre 30 e 40 anos 15 anos
entre 41 e 43 anos 20 anos
À partir de 44 anos Vitalício

 

Existe exceção, caso o falecimento seja decorrente de acidente de qualquer natureza, independentemente da quantidade de contribuições ou quanto tempo de casamento/união estável.

Outra questão importante é que o cônjuge incapaz/inválido ou com deficiência terá direito ao benefício enquanto durar a deficiência ou incapacidade, devendo ser respeitados os prazos mínimos descritos na tabela acima;

E com relação aos filhos, a pensão por morte é devida até os 21 anos de idade, salvo em caso de invalidez ou deficiência adquiridas antes dos 21, que será vitalícia ou da emancipação, que suspenderá o direito de pensão.

 

 

Menu